Ex-deputado pede defesa gratuita após ser condenado a pagar R$ 100 mil por declarações homofóbicas

Victório Galli (PSL) atualmente é assessor da Casa Civil da presidência — Foto: Divulgação
Condenado a pagar R$ 100 mil por declarações homofóbicas, o ex-deputado federal por Mato Grosso, Victório Galli (PSL), pediu à Justiça direito de defesa gratuita, alegando não ter condições financeiras para arcar com as despesas. A decisão que condenou Galli foi proferida em março deste ano, após declarações dele feitas durante uma entrevista a uma rádio local.

O G1 tenta contato com o ex-parlamentar que, atualmente, é assessor especial da Casa Civil da Presidência da República.

No pedido, Galli alega que o custeio das despesas judiciais colocaria o sustento dele e da família em risco, tendo em vista os R$ 16,2 mil que recebe com o atual cargo.

"O autor requereu a concessão de assistência judiciária gratuita, ao fundamento de que não possui condições de pagar as custas e despesas do processo sem prejuízo próprio ou de sua família […] e possui dívidas de campanha, estando, inclusive, sendo processado por esse fato”, diz trecho do pedido.

Ao responder o pedido de Galli, a Justiça de Mato Grosso deu prazo de 15 dias para que o ex-parlamentar apresente documentos comprovando a situação financeira dele.

A decisão é da desembargadora Maria Aparecida Ribeiro.

Condenação

Na decisão que condena Galli, a juíza da Vara Especializada Ação Civil Pública e Ação Popular da Comarca de Cuiabá, Célia Regina Vidotti, diz que não concordar com o homossexualismo ou com qualquer outro fato ou orientação sexual é um direito de qualquer cidadão e uma garantia legal, mas que abusos não podem ser tolerados.

"O que não pode ser tolerado são os abusos, as manifestações que ultrapassam o razoável. Assim, evidenciando o preconceito, a injúria, ou qualquer tipo de agressão, deve-se haver reprimenda para que tais atos não se repitam", diz, na sentença.

Segundo a decisão, em uma entrevista a uma rádio local, ele disseminou o ódio, inclusive com a utilização de personagens de desenhos animados.

"Com relação a essa situação do Mickey e da Disney, a gente vê que em todas as suas atuações, eles fazem apologia ao homossexualismo. Inclusive o Mickey, se você fizer um estudo profundo como eu já fiz, ele representa de fato, ele é homossexual tá. Então, as pessoas estão enganadas com essa mensagem subliminar que a Disney está passando para a sociedade, principalmente às nossas crianças”; Na questão que o rei leão deveria ser um animal feroz, de transmitir respeito aos outros animais, ele se torna um animalzinho frágil, animalzinho que carece de proteção dos outros, entendeu?”; “Na realidade é outra mensagem que também transmite a apologia ao 'gayzismo'”; “(...) se você está pensando que a sua viagem à Disney... indo pra lá, você não vai trazer uma formação positiva para sua família, entendeu? Eles vão ver, entre outras coisas lá, a situação que eles estão denegrindo a família tradicional, isso é patente (...).”; “Onde é que se viu há tempos atrás homem usar saia, homem vestir roupa de mulher, vestir sutiã, deixar os peito crescer, faz tudo querendo ser mulher? Onde que via isso lá atrás? Estão chamando isso de modernidade. Isso é sem-vergonhice. Entendeu? Homem tem que ser homem. Mulher é mulher".

FONTE: G1 MT
Tecnologia do Blogger.