Sobrevivente de atropelamento que matou 2 agradece apoio e orações

Hya agradeceu ao apoio de pessoas envolvidas em seu tratamento. REPRODUÇÃO
Sobrevivente de um triplo atropelamento, que matou duas pessoas na saída da boate Valey Pub, em Cuiabá, a jovem Hya Girotto se manifestou sobre o caso, após seis meses. Por meio de seu perfil na rede social Instagram, a jovem agradeceu aos envolvidos em seu processo de recuperação, no início da tarde desta sexta-feira (31).

O atropelamento aconteceu na madrugada do dia 23 de dezembro de 2018. Myllena Lacerda Inocêncio, 22 anos, morreu logo após o acidente e, Ramon Alcides Viveiros, 25 anos, teve morte cerebral confirmada dias depois.

Os jovens saíam, durante a madrugada, da boate Valley Pub, quando foram atingidos por um veículo Renault Oroch, conduzido pela professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Rafaela Screnci da Costa, 33 anos. Ela chegou a ser  presa, porém, liberada após pagamento de multa.

“A todos os médicos e profissionais da área da saúde, que cuidaram e estão cuidando de mim, os meus mais sinceros agradecimentos”, escreveu.

Na publicação desta sexta-feira (31), Hya agradece primeiro a Deus, familiares e amigos. “A todos os médicos e profissionais da área da saúde, que cuidaram e estão cuidando de mim, os meus mais sinceros agradecimentos”, escreveu.

Myllena, Ramon e Hya foram atropelados na saída da boate Valley Pub, em Cuiabá. REPRODUÇÃO
À época do acidente, a jovem sofreu sérias lesões no braço e teve uma artéria ligada ao coração obstruída, correndo risco de ter o braço amputado. A família conseguiu transferir ela do Pronto-Socorro de Cuiabá para o Hospital Geral Universitário (HGU), após uma liminar concedida pela juíza Elza Yara Ribeiro Sales Sansão.

Hya também agradeceu aos amigos que promoveram uma ‘vakinha’ online, que ajudou a manter as despesas do tratamento dela.

“E por fim, mas não menos importante, agradecer a todos vocês conhecidos e anônimos, que me ajudaram de uma forma inexplicável. Me ajudaram com orações, energias positivas e com doações financeiras na Vakinha Online, que à época foi criada. Fiquei muito feliz em saber da generosidade de cada um de vocês. Obrigada, obrigada e obrigada”, disse.

Polêmica

Na época do acidente, o delegado Christian Cabral, da Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran), afirmou que a jovem poderia ser responsabilizada pelo acidente.

Isso porque ela aparece em imagens de segurança dançando no meio da avenida, entre os carros que passavam pelo local.

Os dois amigos atropelados teriam se distraído ou tentado retirar ela do meio da avenida, devido ao fluxo de veículos, quando todos foram atingidos.

Veja o vídeo


FONTE: RAUL BRADOCK
DO REPÓRTER MT
Tecnologia do Blogger.