Garimpeiro é assassinado a tiros ao separar briga de casal

FOTO: Reprodução
O garimpeiro Armindo Fogaça, de 58 anos, foi assassinado, na noite de domingo (30), em um garimpo ilegal em Aripuanã (976 km de Cuiabá). O homem levou três tiros após defender uma mulher que era agredida pelo marido.

Segundo a Polícia Judiciária Civil (PJC), N.S., de 35 anos, era espancada pelo companheiro Denilson Lima de Souza, também de 35 anos, ao ver a cena à vítima interveio em favor da mulher. O crime ocorreu por volta das 22h.

O agressor deixou o local e retornou tempo depois, com uma arma de fogo e deu três tiros contra Armindo.

O garimpeiro chegou a ser socorrido e levado para o hospital de Aripuanã. Entretanto, ao ser transferido para o Hospital Regional de Juína (737 km da Capital), devido à gravidade dos ferimentos, não resistiu e morreu no caminho.

Os disparos acertaram nas mãos, barriga e tórax da vítima.

N.S. também foi atendida no hospital de Aripuanã, pois, tinha ferimentos na cabeça. Ela deixou o local antes da chegada dos policiais.

Denilson não foi preso. A PJC investiga o caso.

O garimpeiro Armindo Fogaça, 58 anos. FOTO: Assessoria PJC
Denúncia

A Secretaria Nacional de Políticas oferta, desde 2005, a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, no disque 180, para denúncias de violência contra mulher amparadas na Lei Maria da Penha.

É um serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato). O ligue 180 tem como objetivo receber as queixas, orientar as vítimas, acionar a Segurança Pública, e se necessário as encaminhar para outros serviços.

FONTE: MAJU SOUZA
DO REPÓRTER MT
Tecnologia do Blogger.