Rio Cuiabá deixa de receber 60 toneladas de esgoto doméstico por mês

Foto: SEC-MT/Divulgação
O esgoto doméstico lançado no Córrego da Prainha, a partir de agora, recebe tratamento e só então, depois de limpo, é lançado no Rio Cuiabá. Com isso, o manancial que dá nome à cidade deixa de receber por dia, na região do Porto, duas toneladas de carga poluidora, atingindo a marca de 60 toneladas a menos de poluentes por mês. A medida, importante tanto para a saúde da população quanto para a preservação da natureza, representa um importante marco para a Cuiabá dos 300 anos, que consagra 2019 como o ano da virada do saneamento.

Obras e melhorias resultantes do investimento total de R$ 228 milhões avançam na capital mato-grossense, fruto da parceria entre Prefeitura Municipal e Águas Cuiabá, concessionária dos serviços de água e esgoto, sob o acompanhamento do Ministério Público Estadual (MPE-MT) e do Órgão Regulador (Arsec). São novas e grandiosas estruturas operacionais, 165 quilômetros de novas redes já implantadas (63 Km para abastecimento de água e 102 Km para coleta de esgoto).

De importância histórica, o Córrego da Prainha foi canalizado nos anos 1960 e passou a integrar a estrutura de saneamento básico da cidade. Funcionando no modelo denominado sistema misto, ele passou a coletar e transportar água de chuva e esgoto doméstico. Ao assumir os serviços de água e esgoto do município, a Águas Cuiabá desenvolveu projetos que possibilitam à empresa tratar adequadamente o esgoto proveniente dos 16 bairros formadores Bacia da Prainha, que são Lixeira, Centro Norte, Bandeirantes, Dom Aquino, Centro Sul, Goiabeiras, Santa Helena, Araés, Baú, Senhor dos Passos, Consil, Miguel Sutil, Jardim Alvorada, Bosque da Saúde II, Porto e Poção.

Para tanto, a concessionária estruturou, modernizou e reativou a Estação Elevatória de Esgoto da Prainha e realizou, também, importantes melhorias na Estação de Tratamento de Esgoto Dom Aquino, investindo, nas duas unidades, R$ 40 milhões.

Cumprindo ao que determina o contrato de concessão, comunidades agora atendidas com serviços de esgotamento sanitário passam a compartilhar a responsabilidade de seu custeio, condição fundamental à continuidade e qualidade na prestação dos serviços. O valor referente ao serviço de esgoto virá especificado na fatura mensal, acrescido ao valor referente ao consumo de água. Para os clientes integrantes da Bacia da Prainha, a cobrança começa a vigorar em 01 de agosto de 2019.

Até o final deste ano, a capital mato-grossense contará com 61% de coleta e tratamento de esgoto, chegando ao expressivo índice de 91% no ano de 2024.

FONTE: G1 MT
Tecnologia do Blogger.