Veja recomendações do Governo de MT para bares, restaurantes e academias

Foto por: Christiano Antonucci
Entre de medidas do decreto para evitar a propagação do novo coronavírus (Covid-19) em áreas do setor privado, o Governo de Mato Grosso reforça a necessidade de suspender eventos, feiras, cinemas, clubes, missas, cultos, bares, restaurantes, boates e congêneres.  Caso não seja possível cancelar o evento, a recomendação é que não haja público e opte pela transmissão virtual.

O Decreto nº 413, de 18 de março de 2020, foi elaborado com base nas orientações do Ministério de Saúde e restringe ainda as atividades de academias e clubes esportivos pelo período de 30 (trinta) dias, prorrogáveis.

“São diversas medidas gradativas que abrangem as áreas públicas e privadas e possibilitam um melhor enfrentamento do coronavírus no Estado. Vamos fazer o que for necessário”, salientou o governador Mauro Mendes, durante coletiva de imprensa realizada esta semana.

Em Cuiabá, alguns restaurantes já adotaram ações como a disponibilização de álcool gel, afastamento e redução das mesas e orientações aos funcionários e clientes dos estabelecimentos. Casas noturnas optaram por suspender atendimento e evitar grandes aglomerações e, consequentemente, os riscos de contágio.

“Esse setor foi um dos primeiros a sentir o impacto da pandemia e seguimos com os atendimentos de forma reduzida e tomando todos os cuidados, pois ao mesmo tempo em que nos preocupamos com segurança de toda a população, também tememos uma nova crise na economia do país e transtornos em todos os setores”, destacou o presidente da seccional Mato Grosso da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Fernando Medeiros.

De acordo com informações oficiais da Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso,  um caso foi confirmado  nesta quinta-feira (19.03) em Cuiabá e há 59 casos suspeitos de coronavírus em Mato Grosso. Até o momento, as equipes de vigilância monitoraram um total de 87 ocorrências no Estado, sendo que 11 casos foram descartados e 17 foram excluídas por não preencheram critérios de definição de caso para Covid-19.

DA REDAÇÃO