Mulher encontra irmã morta, em cima da cama, seminua e ensanguentada

REPRODUÇÃO
Bruna Freitas Queiroz, 44 anos, foi encontrada morta em cima de sua cama, seminua e ensanguentada, durante a tarde dessa terça-feira (09) no bairro São Jorge, no município de Nova Lacerda (546 km ao oeste de Cuiabá).

A irmã foi até a casa de Bruna após amigas entrarem em contato afirmando que a vítima já há um tempo não atendia as ligações e que estavam preocupadas com ela.

De acordo com a ocorrência, a testemunha, por volta das 16h30, foi ao endereço procurar pela irmã, no entanto, Bruna não respondia. Ao circular pela casa, a denunciante se deparou com a porta dos fundos destrancada, quando conseguiu entrar na casa e encontrou o cadáver.

Desesperada, a mulher acionou a Polícia Militar (PM), que isolou o local e comunicou o fato à Polícia Civil e Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), responsáveis pelas providências no andamento da ocorrência.

Em conversa com a testemunha, ela explicou as circunstâncias em que encontrou o corpo e como ficou desconfiada de que algo errado tinha acontecido, no entanto não esperava encontrar a irmã morta daquele jeito.

Questionada sobre quem poderia ter cometido o crime ou a motivação para tal, a testemunha não soube apontar nenhum direcionamento, já que Bruna morava sozinha e a denunciante não soube dizer, em primeiro momento, se a irmã estaria se relacionando com alguém ou se estaria com algum outro tipo de problema pessoal.

Os peritos analisaram as condições em que o cadáver foi encontrado e periciaram toda a residência, desde o lado de fora, passando pela porta destrancada colhendo evidências das circunstâncias do crime e de como a vítima teria sido morta.

Em seguida, o cadáver foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), onde passou por exames de necropsia, que vai determinar a causa clínica da morte.

Os investigadores acompanharam todo o trabalho da perícia, conversaram com a irmã da vítima e ainda devem ouvir pessoas próximas à vítima.

A Polícia Civil informou que ainda não há evidências para que o caso seja tratado como feminicídio, então, inicialmente a ocorrência foi registrada por crime de homicídio doloso.

A Politec irá emitir laudo técnico  nos próximos dias com informações que darão base às investigações do caso.

FONTE: MÁRIO ANDREAZZA

0/Faça seu comentário