Santa Casa e Hospital Metropolitano estão com UTIs esgotadas para coronavírus

REPRODUÇÃO
A Saúde em Mato Grosso começa a entrar em colapso. Vários hospitais da rede pública de saúde não têm mais leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disponíveis, como é o caso do Hospital Santa Casa e o Hospital Metropolitano, em Cuiabá e Várzea Grande. Secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo afirmou, inclusive, que alguns hospitais particulares estão colapsando também e demandado de leitos do SUS para seus pacientes. Ele defende que medidas mais restritivas sejam adotadas pelos municípios onde a pandemia tem feito mais vítimas.

O secretário afirma que vão faltar leitos de UTI para pacientes do SUS e de planos particulares. Ele explicou que no último boletim divulgado pelo SES, na tarde de segunda-feira (09), apontava uma taxa de ocupação de leitos de UTI de 46,7%. Mas os dados são coletados até meio-dia e, na tarde de ontem, já houve uma grande demanda por leitos. “A pandemia não está sob controle. Vai crescer de forma brutal e na hora que atualizarmos o sistema hoje, provavelmente estará em 70% ou mais de ocupação geral”.

Gilberto enfatizou que os casos estão crescendo de forma muito rápida e muitos pacientes estão chegando em estado muito grave, demandando leitos de UTI. O esperado era que uma pequena parcela dos pacientes covid-19 que necessitasse de atendimento médico fosse para a UTI, mas o cenário é outro, tanto que a ocupação dos leitos de enfermaria não chega a 15%.

“Teremos muito dificuldade para oferecer leitos de UTI para todos, por isso a necessidade de adotar medidas mais rigorosas neste momento. Com a maior flexibilização adotada por alguns municípios, até hospitais particulares começam a colapsar e estou indo para o SUS. Chegamos num momento crítico e que vai piorar nos próximos dias”.

O secretário enfatizou que o setor econômico, com certeza vai reagir negativamente em relação às duas declarações, mas questiona qual o momento de admitir o colapso, agora, sendo que nos próximos dias ou próximas horas não haverá mais leitos, ou realmente quando os pacientes não conseguirem mais serem atendidos?

“A única certeza que tenho é que não haverá leitos de UTI para todo mundo. Se você está indo para shopping, participando de festinhas, saiba que você vai necessitar de um leito público ou privado e você não terá um respirador”.

O secretário enfatizou que leitos de enfermaria, para internação, vai ter, mas o tratamento necessário não estará disponível para salvar vidas. “Tem festa acontecendo por todos os lados. Não vai ter respirador mecânico para auxiliar no momento que você não conseguir mais respirar sozinho”.

Gilberto enfatiza que as projeções não são boas, que Mato Grosso ainda não está no pico da pandemia, ao contrário, ainda está distante dele. “Em menos de 15 dias dobramos o número de casos e em poucas semanas estamos exaurindo a capacidade de leitos. As autoridades municipais precisam adotar medidas mais restritivas”.

 FONTE: REPÓRTER MT

0/Faça seu comentário