Vistoria encontra EPIs escondidos e 12 servidores serão exonerados

ASSESSORIA
Diversos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram encontrados escondidos durante vistoria realizada nesta sexta-feira (19) em diversos setores do Hospital de Referência para Covid-19, o antigo Pronto-Socorro Municipal, resultando na exoneração de 12 servidores. A vistoria foi realizada pelo secretário-adjunto de Planejamento e Operações da Secretaria Municipal de Saúde, o médico Milton Corrêa da Costa Neto, e foi acompanhada pela responsável pelo setor de enfermagem do hospital e pela coordenadora administrativa. Entre os materiais escondidos estavam macacões, aventais, máscaras, luvas, óculos, Pro Pé, e Face Shield.

O adjunto explica que a vistoria foi motivada por reclamações feitas ao superintendente do hospital, Douglas Dolce Domingues, de que haveria falta de EPIs na unidade hospitalar. “Levando em consideração o quantitativo de EPIs que já foi entregue aos servidores do hospital, nós sabíamos que estas reclamações não tinham fundamento. Por isso resolvemos fazer esta fiscalização e conseguimos encontrar muita coisa escondida”, disse Milton.

Ele falou ainda que no momento da inspeção muitos servidores ficaram nervosos e tiraram os EPIs escondidos dos armários individuais, colocando-os dentro de sacos de lixo e deixando-os em armários de uso comum e em carrinhos de transporte. Foram encontrados EPIs escondidos na sala Vermelha, UTI 1, UTI 2 e UTI 3. “Após a constatação desta situação absurda, tiramos fotos e eu registrei um Boletim de Ocorrência”, revelou o secretário-adjunto.

O secretário municipal de Saúde, Luiz Antonio Pôssas de Carvalho, disse que as pessoas que esconderam os EPIs já foram identificadas e que serão exoneradas. São 12 servidores, entre técnicos de enfermagem, enfermeiros e fisioterapeutas. “É uma barbaridade, uma leviandade o que essas pessoas fizeram. Aproveitar um momento de pandemia, em que muitas pessoas precisam de atendimento urgente para criar situações com o único propósito de enfraquecer a gestão municipal é desumano. Não estamos no momento de politicagem, o momento agora é de salvar vidas. É a única coisa que importa agora e precisamos de pessoas que realmente nos ajudem neste propósito”.

O secretário afirmou que fará uma comunicação formal para os devidos sindicatos e conselhos de classe acerca do ocorrido.

FONTE: REPÓRTER MT