Bandidos não encontram jovem jurado de morte e torturam familiares

REPRODUÇÃO
Três bandidos, ainda não identificados, espancaram cinco pessoas, entre elas uma idosa de 72 anos, enquanto procuravam por um jovem identificado apenas como “Nailtinho” que seria executado durante a noite do último domingo (12) no Distrito de Veranópolis, a 30 km de Confresa (1.011 km da Capital).

De acordo com a ocorrência, os bandidos foram até a casa da avó de Nailtinho, porém, não encontraram ele. Então, invadiram a casa e espancaram o pai e a avó do jovem, de 41 e 72 anos, respectivamente. Tentando aterrorizar os moradores da residência, os criminosos ainda fizeram disparos de arma de fogo para que os familiares falassem onde o rapaz estava, mas não conseguiram a informação.

Em seguida, os bandidos foram bater na porta da casa dos tios de Nailtinho, onde também não encontraram o rapaz. Também invadiram a residência e espancaram os tios, um homem de 51 anos e sua esposa, de 44, além de um primo, de 23 anos. No endereço os criminosos também atiraram para aterrorizar os moradores, mas desta vez atingiram o tio do jovem com um disparo no ombro esquerdo.

Após a invasão os três bandidos saíram da casa, abordaram uma caminhonete S10 preta e fugiram com o motorista. Até a publicação desta reportagem nenhum deles tinha sido encontrado, de tal forma, não foi possível determinar se o motorista do Chevrolet era comparsa ou vítima sequestrada.

A Polícia Militar (PM), com apoio da Força Tática, saiu em patrulhamento pelo distrito procurando os acusados e a suposta caminhonete ‘roubada’, com a informação de que os bandidos teriam seguido em direção à cidade de Vila Rica, mas não foram localizados.

A ocorrência, registrada por crimes de lesão corporal, invasão domiciliar e tentativa de homicídio, foi encaminhada à Delegacia de Polícia Civil, responsável por investigar o caso e buscar pelo paradeiro dos acusados.

O homem baleado e a idosa espancada foram socorridos e encaminhados para o Hospital Municipal de Confresa, para receberem cuidados médicos específicos.

FONTE: REPÓRTER MT