Veja quais são os 8 primeiros sintomas de Malária

Os primeiros sintomas da malária podem surgir 1 a 2 semanas após a infecção pelos protozoários do gênero Plasmodium sp. Apesar de geralmente ser leve a moderada, a malária pode desenvolver quadros graves, por isso, o diagnóstico deve ser feito o mais precocemente possível, já que o tratamento correto e rápido são as formas mais adequadas para reduzir a gravidade e a mortalidade desta doença.

O primeiro sintoma que surge é a febre alta, que pode chegar a 40ºC, mas outros sinais e sintomas clássicos de malária incluem:

  1. Tremores e calafrios;
  2. Suor intenso;
  3. Dores por todo corpo;
  4. Dor de cabeça;
  5. Fraqueza;
  6. Mal estar geral;
  7. Náuseas e vômitos.

É comum que a febre e a intensificação dos sintomas ocorram sempre de forma repentina a cada 2 a 3 dias, durante cerca de 6 a 12 horas, período em que os glóbulos vermelhos se rompem e os parasitam circulam pela corrente sanguínea, situação bem característica da malária.

Entretanto, os padrões da doença variam de acordo com o tipo de malária, se ela é malária complicada ou não, podendo as complicações ser fatais.


Sinais e sintomas de malária cerebral

Em alguns casos, a infecção pode desenvolver complicações graves, sendo que a malária cerebral é a mais comum e importante. Alguns sintomas que indicam malária cerebral incluem:

  • Rigidez na nuca;
  • Desorientação;
  • Sonolência;
  • Convulsões;
  • Vômito|;
  • Estado de coma.

A malária cerebral pode causar risco de morte, sendo comumente confundida com outras doenças neurológicas graves como meningite, tétano, epilepsia e outras doenças do sistema nervoso central.

Outras complicações da malária incluem anemia, redução das plaquetas, insuficiência renal, icterícia e insuficiência respiratória, que também são graves, e devem ser monitorizadas durante todo o período da doença.

Que exames confirmam a malária

O diagnóstico da malária é feito pela análise microscópica do exame de sangue, também conhecido como gota espessa. Este teste deve estar disponível no posto de saúde ou hospital, principalmente em áreas mais afetadas pela malária, e é feito sempre que surgirem sintomas que indicam a infecção.

Além disso, novos testes imunológicos têm sido desenvolvido para facilitar e agilizar a confirmação da malária. Se o resultado indicar que realmente é malária o médico pode, ainda, pedir outros exames para monitorizar e avaliar possíveis complicações, como hemograma, exame de urina e Raio-X de tórax.

Como tratar a malária

O objetivo do tratamento da malária é destruir o Plasmodium e impedir a sua transmissão, com medicamentos antimaláricos. Existem diferentes esquemas de tratamento, que variam de acordo com a espécie do Plasmodium, idade do paciente, gravidade da doença e se há condições de saúde associadas, como gravidez ou outras doenças.

Os medicamentos utilizados podem ser a Cloroquina, Primaquina, Artemeter e Lumefantrina ou Artesunato e Mefloquina. Crianças, bebês e grávidas podem ser tratadas com Quinina ou Clindamicina, sempre de acordo com as recomendações médicas e, geralmente, é sugerido o internamento hospitalar, pois esta é uma doença grave e potencialmente fatal.

Pessoas que vivem em locais onde essa doença é frequente podem ter a malária mais de uma vez. Bebês e crianças são facilmente picados pelos mosquitos e por isso podem desenvolver essa doença várias vezes durante a vida. É importante lembrar que o tratamento deve ser iniciado o quanto antes porque podem existir complicações que podem levar a morte. Saiba mais detalhes sobre como é feito o tratamento e como se recuperar mais rápido.

FONTE: TUA SAÚDE

0/Faça seu comentário