Para escapar de perseguição, cristãos do Laos oram dentro de floresta

Foto: Reprodução / UCA News

Os cristãos continuam a enfrentar várias formas de assédio e discriminação no Laos, o que obrigou muitos deles a praticarem sua fé em segredo, de acordo com grupos cristãos estrangeiros.

Uma fotografia tirada recentemente, publicada online em 14 de setembro, mostra nove jovens cristãos orando, com as mãos cruzadas, dentro de uma floresta ao lado de árvores altas.

Os cristãos, que vivem em uma área rural, sentem que é necessário realizar suas cerimônias religiosas em tais circunstâncias, porque praticar sua fé abertamente em sua aldeia poderia expô-los ao assédio de locais não cristãos, de acordo com a Portas Abertas International, missão não denominacional que apoia cristãos perseguidos em mais de 70 países.

“Dois meses atrás, esses crentes foram ameaçados [quando] outros membros de sua aldeia disseram que os expulsariam da comunidade por causa de sua fé”, diz a Portas Abertas.

“Então eles não podem mais se reunir para orar dentro de sua aldeia. Mas, em vez de desistir, eles estão encontrando outras maneiras de se encontrar o mais secretamente possível”, explica a instituição cristã.

A situação desses cristãos é sintomática de preconceitos generalizados contra os cristãos na nação comunista de sete milhões, onde os cristãos representam cerca de 2% da população, sendo que metade deles é considerada católica.

Legislação para impedir a fé

Embora o governo comunista do Laos nominalmente garanta liberdade religiosa para todos os cidadãos, na realidade os cristãos são rotineiramente evitados pelos habitantes locais e enfrentam o assédio das autoridades. O regime promulgou recentemente o Decreto nº 238 sobre Associações, que permite às autoridades locais restringir o funcionamento de associações civis e religiosas, incluindo igrejas.

Outras leis também são usadas para colocar restrições às práticas religiosas, incluindo a realização de cultos de oração, a ordenação de líderes religiosos e a livre circulação de crentes.

“O governo usa toda a máquina administrativa até os anciãos das aldeias para evitar que as pessoas se tornem cristãs ou punam quem ousar”, disseram alguns cristãos do Laos, segundo uma organização cristã estrangeira.

O cristianismo é frequentemente apontado por restrições especiais porque a fé há muito tempo é retratada pela propaganda oficial como uma religião estrangeira que foi importada para o país por missionários de potências coloniais, incluindo os Estados Unidos, cuja guerra com o Vietnã resultou em destruição em grande escala do Laos durante campanhas de bombardeio massivas destinadas a desenraizar guerrilheiros comunistas das selvas.

Deus da América

Um aldeão cristão disse recentemente à Radio Free Asia que foi repreendido por um oficial por causa de sua fé cristã. “Vocês acreditam no Deus da América”, disse o oficial ao morador. “Você não se lembra do que a América fez ao nosso país?”

Grupos de direitos humanos documentaram vários casos semelhantes de alegada discriminação contra cristãos locais. “O cristianismo é visto como uma religião norte-americana ou uma ferramenta de missões para minar o regime do Laos,” diz The Voice of the Martyrs, uma missão cristã com sede nos Estados Unidos.

“Embora existam igrejas caseiras e prédios de igrejas, a grande maioria deles não tem um pastor líder treinado. No entanto, na maioria das aldeias, os edifícios da igreja não são permitidos. Se os líderes da aldeia perceberem que uma igreja doméstica está crescendo, eles tentarão impedir”, acrescenta a missão.

Os cristãos muitas vezes são privados até de direitos básicos, de acordo com grupos de direitos estrangeiros e organizações cristãs. Se eles são enganados em terras ou negócios por outros habitantes locais, eles geralmente não têm nenhum recurso real à justiça, já que as autoridades fecham os olhos para muitas injustiças que envolvem cristãos, dizem grupos de direitos humanos.

“Os cristãos geralmente têm dificuldades para sustentar a si mesmos e suas famílias, pois muitas vezes não conseguem empregos - a maioria dos quais está disponível por meio do governo”, diz The Voice of the Martyrs.

“Os cristãos geralmente não recebem tratamento médico, educação e outros serviços sociais. Frequentemente ocorrem prisões de crentes, resultando em detenções que duram em média até uma semana”, explica.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO UCA NEWS E PORTAS ABERTAS

0/Faça seu comentário