Cuiabá foca em jogos como batalhas; euforia fica para a torcida

Cuiabá Esporte Clube

Pé no chão, o time afirma que para chegar ao objetivo, todos trabalham a humildade e o dia a dia

O Cuiabá Esporte Clube vem alimentando o sonho da sua torcida alviverde desde 2018, quando saiu da série C e acessou a série B, no campeonato Brasileirão. Atualmente, em terceiro lugar na competição, que ainda está na metade, os cuiabanos e mato-grossenses sonham com uma nova subida, o primeiro time do Estado a acessar a série A e jogar com grandes clubes como São Paulo, Flamengo e Corinthians.

Pé no chão, o time afirma que não é o momento de euforia na equipe e que para chegar ao objetivo eles trabalham a humildade e o dia a dia. Mais que ganhar a taça da série B, a expectativa é que o time siga até o final, entre os quatro primeiros colocados e vá para primeira divisão. 

Até o momento, foram nove vitórias, seis empates e três derrotas para o time, que figura Na terceira colação, atrás do América (MG) e da Chapecoense (SC). O último jogo foi contra o alvinegro Botafogo, do Rio de Janeiro, no qual o Dourado venceu por 1 a 0.

Na noite deste sábado (31), o Cuiabá tem mais um jogo: enfrenta o Clube de Regatas do Brasil (CRB), de Alagoas, a partir das 21h na Arena Pantanal.

Segundo o vice-presidente do Cuiabá, Cristiano Dresch, os dirigentes almejam grandes resultados, mas a parte do sonho, da euforia, tem sido deixada com a torcida. 

“O Cuiabá vem fazendo um trabalho bem focado nos últimos dez anos, com o objetivo principal, no início lá em 2009 quando Cuiabá foi confirmado sede da Copa do Mundo, era chegar à série B. Conseguimos chega à séria B em 2018, no acesso da C para B. Nós não podemos ter euforia se não acabamos pensando no futuro esquecendo do presente. Não vamos fazer planos de algo que ainda não conquistamos”, pondera Cristiano. 

O zagueiro Anderson Conceição, capitão do time, afirma que o pensamento é sempre o próximo jogo, o próximo adversário, caminhando degrau por degrau. 

Sobre os colegas, ele fala “o grupo é muito trabalhado, jogadores que realmente chegaram e vestiram a camisa do clube. Você sabe que em uma competição tão difícil com a série B você precisa ter um grupo muito forte, competitivo e humilde, e isso aí temos feito durante nossa campanha”. 

O capitão diz que acredita no time e nos dirigentes, focando no jogo a jogo, no dia a dia, para alcançar resultados. 

“A caminhada da série B nós conseguimos metade dela para a conquista de um acesso, mas que falta muita coisa ainda. O segundo turno será muito mais competitivo. O torcedor mato-grossense está feliz, pois há muito tempo não se via um clube do Estado com ascensão tão grande, com grandes chances de estar representando na séria A do brasileiro, mas isso a gente deixa para parte da torcida, para fora do campo. Nós sabemos que internamente temos que manter os pés no chão, uma equipe humilde e trabalhadora que tem condições de conseguir esse acesso, mas que sabe a cada jogo é uma batalha para conseguir três pontos. Os adversários tem estudado nossa equipe, mas nos sentimentos felizes e orgulhosos por representar o Estado”, finaliza Anderson.

FONTE: REPÓRTER MT