PRTB pede cancelamento de eleições, diz Levy Fidelix

Foto: Estadão Conteúdo

O presidente do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) e candidato derrotado à prefeitura de São Paulo, Levy Fidelix, foi às redes sociais nessa tarde de terça-feira (17) para comunicar que a legenda pediu o “cancelamento das eleições no TSE até que invasão das urnas seja esclarecida”.

Levy ficou em 11º lugar na disputa da capital paulista. Ao todo, 13 candidatos disputaram o primeiro turno das eleições em São Paulo

Na postagem, o político ainda compartilhou o documento de oito páginas protocolado na Justiça Eleitoral, ainda nesta segunda-feira (16).

Segundo a peça jurídica, o PRTB pede à Justiça Eleitoral “esclarecimento a respeito da paralização do sistema de totalização dos votos nas eleições municipais de 2020, sob pena de anulação”.

Como justificativa, o partido apresentou recortes de reportagens do domingo de eleições, contando sobre os problemas de tecnologia da informação enfrentados pelo órgão responsável das eleições, dentre elas o atraso para a apuração, a falta de acesso ao aplicativo e-Título e atraso de e-mails do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No pedido, a agremiação ainda afirma, sem anexar provas,  que existiram “graves indícios de irregularidade na apuração e divulgação dos resultados, após ataque externo (hackers) tanto no dia 12/11, quanto no dia 15, domingo, durante a realização das eleições”.

“Na hipótese de não serem devidamente esclarecidos os motivos de referida paralisação com a consequente divulgação dos resultados com a tecnicidade exigida pela transparência e inviolabilidade que se exige, pede-se que se determine imediata auditoria e até mesmo que se anule os resultados da eleições municipais do 1.º turno em todo o território nacional, tanto proporcionais quanto majoritárias e se suspenda o 2.º turno até decisão final da presente petição”, destacou o PRTB no documento.

Segundo o sistema de tramitação da ação, o processo foi encaminhado para a presidência do TSE e encontra-se com a presidência para concluir a decisão. A reportagem de O Tempo pediu um posicionamento da assessoria de imprensa do tribunal, mas não obteve retorno até a publicação.

O que já disse o TSE sobre o assunto

Na noite de domingo, dia das eleições municipais, o Barroso havia afirmado que uma falha em um dos núcleos do super computador que processa a totalização dos votos havia resultado no atraso da divulgação dos resultados.

"Houve um atraso na totalização dos resultados por força de um problema técnico que foi o seguinte: um dos núcleos de processadores do super computador que processa a totalização falhou e foi preciso repará-lo", disse o ministro na ocasião.

Em coletiva desta segunda, Barroso acrescentou que o sistema do tribunal sofreu uma tentativa de invasão de hackers e que em seguida milícias digitais entraram em ação para desacreditar o sistema. Entretanto, o ministro continuou ressaltando que as tentativas de ataques ao sistema do TSE não afetaram resultados das eleições.

Por CARLOS AMARAL/O TEMPO