Buscando viabilidade na saúde, Alex lançará a campanha: “Hospital Amparo – Municipalização Já, Saúde Para Todos”


Com dívidas milionárias, penhoras, inviabilidade econômica, administrativa, e diversos processos na Justiça, há mais de oito anos que o Hospital Amparo de Rosário Oeste, está acumulando dívidas, o que deixou a instituição inviável para funcionar.

“Dívidas milionárias, inviabilizam a continuidade do defasado modelo de administração do Hospital Amparo”.

A situação do Hospital Amparo que é filantrópico, e vive de doações, passa pelos mesmo problemas que a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá passava, quando trabalhava no mesmo sistema.

“Depois que o Governo do Estado de Mato Grosso assumiu a administração da Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá, a unidade de saúde voltou a funcionar, virando referência no atendimento para população”.  

A Prefeitura de Rosário Oeste, através de um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, repassa mensalmente cerca de R$ 200 mil, para o Hospital Amparo, para custear folha salarial, manutenção e compram de insumos, uma conta, que para muitos especialistas, não batem, é considerada praticamente impossível de fechar.

Devido acompanhar por vários anos, as dificuldades que o Hospital Amparo atravessa, o farmacêutico e atual prefeito de Rosário Oeste, Alex Berto apresentou o Projeto de Municipalização do Hospital Amparo, como forma de viabilizar a funcionalidade da Unidade de Saúde.

ASSESSORIA

Para o prefeito, resolver o problema de funcionalidade do Hospital Amparo é de extrema importância para o desenvolvimento do município, desta forma, em uma das suas primeiras ações, lançar a campanha:

“Hospital Amparo – Municipalização já, saúde para todos”.

“Como o Hospital Amparo é denominado de ser uma Instituição Filantrópica, ficando impossibilitado de ser apto para receber determinados recursos públicos, o que será revertido com a municipalização do Hospital”, explicou Alex.

O prefeito ainda ressaltou a importância da municipalização da instituição de saúde, que poderá ampliar os seus atendimentos, com médicos especialistas e a realização de cirurgias, já que há muitos anos, não nasce um rosariense através de uma cesariana no Hospital.

Situação do Hospital Amparo:

Dívidas milionárias.

Não realiza cirurgias.

Possui penhoras de processos trabalhistas.

Se encontra inviabilizado.

Tem o custo de cerca de R$ 200 mil ao mês, para Prefeitura de Rosário Oeste.

De acordo com informações de bastidores, a situação do Hospital é tão crítica, que nem o CNPJ que era para ser utilizado pela Instituição, está em condições, desta foram, estariam utilizando o CNPJ de terceiro.

“Relatos de moradores que pediram para não serem identificados, apontam que para receber recursos e donativos, que necessitam de registros, está sendo utilizado o CNPJ de um Centro Espírita da cidade”.

Alex disse que a Prefeitura vai buscar de todos modos cabíveis, para realizar a municipalização do hospital, seja através de uma desapropriação, ou de uma sessão procedimento entre os sócios, e até mesmo uma compra do imóvel amigavelmente.

“Queremos fazer a compra do imóvel de forma correta, como também acertar com todos os trabalhadores, os seus direitos cabíveis”, ressaltou Alex

Por O Matogrosso

0/Faça seu comentário