Escola totalmente reformada estimula novos projetos e qualidade do ensino em Nobres

Foto por: Seduc-MT

Localizada no Projeto de Assentamento Coqueiral Quebó, em Nobres (146 km a médio-norte de Cuiabá), a Escola Estadual Marechal Cândido Rondon passou por uma reforma geral e está pronta para o ano letivo de 2021. São oito salas de aula, biblioteca, salas multifuncional e de música, parte administrativa, banheiros, cozinha e refeitório. Os ambientes também passaram a ter acessibilidade. O investimento do Governo do Estado, por meio do Programa Mais MT, foi de R$ 2.041.342,26.

O prédio estava interditado desde 2012 devido a graves problemas estruturais. A escola, que havia sido entregue um ano antes, não oferecia segurança aos alunos e professores: forro e telhado cederam, a fossa séptica desbarrancou e houve panes elétricas. Uma reforma chegou a ser iniciada em 2016, mas parou no mesmo ano, só tendo sido retomada em 2019.

A professora Mariana Rodrigues Athayde Dormevil, presidente do Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar (CDCE) da E.E. Marechal Cândido Rondon, relembra a satisfação da comunidade quando a escola foi finalizada e das dificuldades enfrentadas pouco tempo depois.

“Aquele sonho de ser tudo diferente, de ser tudo novo. Porém, quando o prédio apresentou problemas na estrutura, tudo se tornou um pesadelo. Desalojados, muitos alunos foram embora. A comunidade padeceu de 2013 para cá”, conta.

Os alunos da região não deixaram de estudar nesse período, mas a comunidade escolar desejava que a escola Marechal Rondon pudesse ter condições de uso.

“Sempre que olhávamos para o prédio abandonado, condenado, gerava tristeza, angústia e revolta. A reforma foi retomada e voltamos a acreditar que teríamos o prédio que tanto merecemos”, disse Mariana.

Melhorias

Foram feitas adequações na cobertura com substituição das telhas de cerâmica por termoacústicas, troca da estrutura de madeira por metálica, troca do piso, pintura, reforço estrutural, polimento e pintura da quadra poliesportiva, adequações das instalações hidrossanitárias e reforma geral das instalações elétricas, construção de poço artesiano e de nova fossa séptica.

“Conseguimos nos sentir olhados, vistos por essa gestão. Voltamos a ter esperança do melhor, de dias melhores, imaginamos voltar com os projetos e feiras da unidade, vislumbramos novamente o melhor para toda a comunidade”, diz a professora.

A escola, que era municipal, foi estadualizada em 2006 e tem capacidade para atender 350 alunos por turno. São oferecidos ensinos Fundamental e Médio, e Educação de Jovens e Adultos (EJA). No local são desenvolvidos ainda projetos como Educarte com Coral de Libras e instrumentos de sopro. 

“A nossa comunidade, de pessoas trabalhadoras e dedicadas, merece o melhor. Os alunos merecem tudo, merecem uma estrutura adequada”, finaliza Mariana.

DA REDAÇÃO

0/Faça seu comentário