Saúde Saúde

Não há previsão para imunidade de rebanho, diz especialista

A afirmação foi feita pelo infectologista Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Pediatria, durante a Live RJ desta sexta (7)

07/05/2021 15h30
Por: Redação Fonte: R7
 reprodução - (Foto: reprodução)
reprodução - (Foto: reprodução)

O infectologista Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Pediatria, afirmou durante a Live JR, programa de entrevistas do Jornal da Record, nesta sexta-feira (7), que não há previsão para que se atinja a imunidade de rebanho contra o novo coronavírus.

Também participou da conversa, realizada pelos jornalistas Celso Freitas e Luiz Fara Monteiro, a pediatra Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações.

“Esse seria o tripé necessário para que tivéssemos a imunidade: vacinas em grande quantidade; vacinas que sejam esterilizantes, que evitem a transmissão do vírus; e vacinas altamente eficazes. Não temos nenhum desses três fatores para falar em imunidade coletiva ou proteção de rebanho, não temos nenhum dado exato para fazer essa previsão”, explicou Kfouri.

Além disso, o especialista destacou que não há nenhuma evidência que garanta que um determinado número de pessoas infectadas faça com que a transmissão do vírus seja interrompida.

“Ele [o coronavírus] circula de maneira mais intensa na comunidade, hoje na Índia, antes no Brasil, já temos a variante indiana circulando pela europa e certamente isso vai trazer novidades e novas ondas até que a gente consiga controlar a transmissão”, afirmou.

Atraso na 2ª dose não requer recomeço do esquema vacinal

A pediatra Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, destacou que o atraso na segunda dose da vacina contra a covid-19 não requer recomeço do esquema vacinal.

"O atraso da vacina CoronaVac significa mais lentidão no processo de vacinação. Não vai precisar recomeçar o esquema de doses, mas tomar assim que possível", disse Isabella.

Sobre o risco da formação de coágulos com uso da vacina de Oxford, a médica explica que a chance é maior em relação à covid do que à vacina contra a doença.

"O que tem de concreto é que o risco de ter trombose na covid é de 1 em 5 vai, já com a vacina, a relação é de 0,004%. Então, essa medida da Europa de fazer a segunda dose com outra vacina é feita sem nenhuma evidência de que isso vai dar certo", disse.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias