26°

Poucas nuvens

Rosário Oeste - MT

Saúde COVID-19

“Variantes podem pôr tudo a perder”, alerta pesquisadora

A mais recente variante da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, ganhou as manchetes dos jornais e virou alvo de preocupação entre cientistas.

13/07/2021 às 08h25
Por: Redação Fonte: METRÓPOLES
Compartilhe:
“Variantes podem pôr tudo a perder”, alerta pesquisadora

Delta. A mais recente variante da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, ganhou as manchetes dos jornais e virou alvo de preocupação entre cientistas. No Brasil, a demora para que a vacinação deslanche e as diferenças de ritmo entre unidades da Federação fizeram a preocupação aumentar.

Neste contexto, pesquisadores são categóricos: é preciso imunizar mais e manter as medidas de controle, como uso de máscara e distanciamento social, para que se consiga vencer a pandemia. Isabella Ballalai, referência em vacinação e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), alerta: “As variantes são um fator que pode pôr tudo a perder”.

Em entrevista ao Metrópoles, a especialista pondera que o país conseguiu melhorar a campanha de vacinação, mas que ainda é cedo para dizer que o panorama está sob controle. “Ainda é precoce ter mudanças de flexibilização, por exemplo. A situação melhorou um pouco, mas não acabou de verdade”, frisa.

Desde o início da pandemia, o Brasil registrou mais de 19 milhões de casos de Covid-19, e cerca de 535 mil pessoas já morreram vítimas da doença.

Ao todo, o Ministério da Saúde distribuiu 143,9 milhões de doses da vacina, e 109,9 milhões de pessoas já foram imunizadas entre primeira e segunda doses ou aplicação única do imunizante da Janssen.

Neste mês, a vacinação contra a Covid-19 completa seis meses no Brasil. A primeira dose foi aplicada em 17 de janeiro. Isabella aponta erros na campanha e ressalta a importância de se completar o esquema vacinal — duas doses ou dose única para o caso da Janssen.

“Já temos resultados de efetividade, como a redução de óbitos e a diminuição de hospitalizações”, salienta. A seguir, leia o ponto a ponto dos principais trechos da entrevista.

Variantes

Isabella não titubeia ao afirmar que as novas variantes do vírus são uma ameaça. “As variantes são um fator que pode pôr tudo a perder. Como surgem? O vírus que está circulando busca burlar o nosso sistema imune. Ele depende de infectar para se manter vivo. Se ele não invade, ele não se replica, não se modifica e acaba. Isso que fizemos com a varíola. Vacinamos todo o planeta e o vírus não teve a quem infectar. É o único vírus que foi eliminado. Muitas vezes, podemos eliminar a doença, mas não o vírus”, explica.

É onde a imunização ágil e correta faz a diferença. “Quando mais se tem circulação do vírus e pessoas imunes, isso pela doença, por que pela vacina se tem muito pouco, o vírus busca alternativas. As vacinas se mostram eficazes contra as novas variantes. Mas precisamos interromper a circulação”, vaticina.

A pesquisadora acredita que a tendência é de que seja necessário reforço na vacina no futuro. “Ainda não temos o momento, mas provavelmente em 2022. Se será como a vacina da gripe vai depender da situação da presença do vírus entre nós”, destaca.

Ela emenda: “Não imaginamos que vamos eliminar. Sabemos que é provável que novas variantes surjam quanto mais se demorar a vacinar. Quanto o vírus mais se disseminar, mais chances de cepas bem diferentes da original aparecerem, o que é quase um novo vírus. Enquanto houver um país com baixa cobertura e alta prevalência, estaremos correndo risco”.

Campanha de vacinação

O país patinou por meses na campanha de vacinação e o governo federal demorou a comprar doses da vacina. Possíveis irregularidades e omissões são investigadas na CPI da Covid no Senado.

“A falta de vacina foi o nosso maior erro. O maior desafio do PNI [Programa Nacional de Imunizações] foi implementar uma campanha dessa envergadura sem vacina, sem a garantia de vacinas. O programa acabou não sendo como fazemos com as outras campanhas, pelo qual o Brasil é reconhecido. Está sendo uma campanha picotada”, frisa.

Ela aponta prejuízos. “A comunicação fica mais difícil. As dúvidas ficam maiores, a pressão popular fica muito grande, sobretudo de grupos que não são de maior risco para a Covid. A não homogeneidade é um fator que impacta na confiança da população.”

Contudo, para Isabella, o panorama melhorou nas últimas semanas. “O Brasil evoluiu bastante. Já temos resultados de efetividade, como a redução de óbitos e a diminuição de hospitalizações, por exemplo”, pontua.

Ela acrescenta que é necessário completar o esquema vacinal, ou seja, aplicar as duas doses ou a dose única no caso da Janssen, para a campanha ter sucesso. “O desafio é conseguir uma melhor cobertura neste sentido”, afirma.

Falsa sensação de segurança

Isabella afirma que é ainda precoce ter mudanças de flexibilização. “A situação melhorou um pouco, mas não acabou de verdade. Inglaterra e Israel, por exemplo, que têm uma estrutura de controle maior, começaram uma flexibilização. Mas a Inglaterra já está pensando em fazer outra dose da vacina para enfrentar o inverno e o risco da nova variante”, explica.

Ela cita como exemplo o nosso vizinho Chile. “Os chilenos estão com cobertura vacinal maior que a nossa, fizeram uma flexibilização e enfrentaram uma nova onda de adoecimento”, salienta.

A especialista critica aqueles que escolhem com qual vacina querem se imunizar. “A melhor vacina é a que está disponível. Deixar de se vacinar aguardando uma vacina específica pode significar morrer antes de ser vacinado”, finaliza.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Rosário Oeste - MT Atualizado às 04h51 - Fonte: ClimaTempo
26°
Poucas nuvens

Mín. 25° Máx. 42°

Qua 39°C 24°C
Qui 39°C 25°C
Sex 40°C 25°C
Sáb 39°C 26°C
Dom 40°C 25°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Ele1 - Criar site de notícias